Saúde Oral nos Bebés


Os primeiros dentinhos.
Saiba como ajudar o seu bebé nesta etapa


O seu bebé está agitado, tem as gengivas vermelhas ou inchadas e está sempre a levar os dedos à boca? Se calhar é o seu primeiro dentinho a querer romper! Saiba como ajudar o seu bebé nesta etapa tão fundamental das vossas vidas.


Quando nascem os primeiros dentes?
  • Geralmente o primeiro dente surge nos 6 primeiros meses de vida. Mas a verdade é que o seu aparecimento pode variar, nascendo mais cedo ou mais tarde.
  • Por volta dos três anos de idade, as crianças já têm, normalmente, a dentição de leite completa, que é composta por 20 dentes, 10 em cada maxilar.
  • Regra geral, os primeiros dentes a aparecer são os da frente em relação aos de trás, e os do maxilar inferior primeiro que os do superior.

Que sintomas devo estar atento?
  • Insónia durante a noite.
  • Ligeiro aumento da temperatura.
  • Gengivas vermelhas ou inchadas.
  • Salivação abundante.
  • Ficar mais exigente com a comida.
  • Pôr constantemente objetos ou os dedos na boca.

Como ajudar o meu bebé a aliviar a dor?

Dê ao seu bebé um anel de borracha próprio para o surgimento dos primeiros dentes. Existem vários no mercado, desenhados especialmente para esta ocasião. O anel facilita o “romper” da gengiva, pois o bebé tem tendência para mordê-lo.

  • Pode também comprar um gel específico para massajar a gengiva do bebé.
  • Mantenha-o distraído com música, um novo brinquedo ou mesmo um passeio, tentando que não se foque na dor.
  • Desde o surgimento do primeiro dente, deve começar imediatamente a higiene oral, para prevenir a formação de placa bacteriana e de cáries dentárias.

Aprenda a limpar os dentinhos do seu bebé
  • A higiene oral do bebé deve ser iniciada mesmo antes do nascimento do primeiro dente, depois da última mamada, utilizando-se uma gaze humedecida ou dedeira.
  • Quando nascer o primeiro dente, deve limpá-lo duas vezes ao dia com um pano molhado ou uma gaze. Também existem no mercado escovas próprias para esta etapa.
  • A partir da erupção do primeiro dente, o Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral, da Direção-Geral da Saúde, recomenda que a frequência da escovagem, o material utilizado, a responsabilidade pela sua execução, o dentífrico fluoretado e suplementação sistémica de fluoretos utilizados, sejam de acordo com a seguinte tabela:
Frequência da escovagem dos dentes
2 x dia a partir da erupção do 1º dente. Uma obrigatoriamente antes de deitar
Material utilizado na escovagem dos dentes
Gaze, dedeira, escova macia de tamanho pequeno
Execução da escovagem dos dentes
Pais
Dentífrico Fluoterado
1000-1500 ppm quantidade idêntica ao tamanhi da unha do 5º dedo da criança
Suplemento sistémico de fluoretos
Não recomendado
Frequência da escovagem dos dentes
2 x dia. Uma obrigatoriamente antes de deitar
Material utilizado na escovagem dos dentes
Escova macia de tamanho adequado à boca da criança
Execução da escovagem dos dentes
Pais e/ou criança sob supervisão, se já adquiriu destreza manual
Dentífrico Fluoterado
1000-1500 ppm quantidade idêntica ao tamanhi da unha do 5º dedo da criança
Suplemento sistémico de fluoretos
Não recomendado. Excecionalmente as crianças de alto risco à cárie dentária, podem fazer 1 comprimido diário de flúoreto de sódio a 0,25mg
Frequência da escovagem dos dentes
2 x dia. Uma obrigatoriamente antes de deitar
Material utilizado na escovagem dos dentes
Escova macia ou em alternativa média de tamanho adequado à boca da criança ou jovem
Execução da escovagem dos dentes
Pais e/ou criança sob supervisão, se já adquiriu destreza manual
Dentífrico Fluoterado
1000-1500 ppm quantidade aproximada de 1 centímetro
Suplemento sistémico de fluoretos
Não recomendado. Excecionalmente as crianças de alto risco à cárie dentária, podem fazer 1 comprimido diário de flúoreto de sódio a 0,25mg

Fonte:

Australian Department of Health. Teething. [Online]. 2008 [cited 2012 Nov 9].

Zamani, R.A.. California Childcare Health Program. Teething. [Online]. 2005 [cited 2012 Nov 9].

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral 2005/DGS




Chucha: Amiga ou inimiga?
O primeiro instinto quando se ouve um bebé chorar é pôr-lhe uma chucha na boca.

Mas será que o devemos fazer?
Ou pelo menos, fazê-lo sem qualquer reserva?

Fique a saber se a chucha é amiga ou inimiga do seu bebé.


Chuchar no dedo ou na língua é mais prejudicial

Existem diversas teorias relacionadas com a chucha do bebé, mas a verdade é que cada uma é diferente e pode até ser prejudicial privar o bebé da chucha. Se este procura o conforto através da chucha e não lho oferecer, irá fazer com que vá procurar outras formas que lhe proporcionem essa mesma sensação, como chuchar no dedo, chuchar na língua ou na fronha da almofada ou mesmo ranger os dentes. E qualquer uma destas é ainda mais prejudicial do que a chucha!



Em termos gerais é consensual que:

A introdução da chucha deve ser adiada até à terceira semana de vida, quando a amamentação estiver bem estabelecida. Assim, o bebé evita a confusão entre o seio materno e o bico da chucha. Mas só se o bebé a pedir.
Se necessário, a chucha só deve ser usadas quando o bebé estiver agitado durante o dia.


Prós e contras

O uso excessivo da chucha pode levar a problemas como:

Posicionamento incorreto dos dentes: A dentição pode ser empurrada para a frente, fazendo com que os dentes de cima não encaixem adequadamente nos de baixo.

Respiração pela boca: A criança tende a respirar pela boca em vez de respirar pelo nariz.

Problemas de linguagem: O uso excessivo das chupetas faz com que a criança não consiga ter a amplitude total para realizar todos os movimentos necessários para ter um discurso fluido e pronunciar corretamente as palavras.
 

O uso da chucha protege contra a síndrome de morte súbita do lactente.

Segundo a Academia Americana de Pediatria, a chucha tem um efeito protetor da morte súbita, uma vez introduzida após a 3.ª semana de amamentação e apenas durante o sono.

A chucha é, na maioria dos casos, a melhor solução para responder a um reflexo que quase todos os bebés apresentam: a sucção.


Cuidados com o uso de chuchas ou biberões


Nunca coloque açúcar, mel ou doce nas chuchas ou biberões, pois podem provocar cáries e gengivites.
Não coloque na sua boca a chupeta ou o biberão antes de os dar ao seu filho, pois vai transferir bactérias e outros microrganismos da sua boca para a boca da criança.
Não permita que a criança partilhe chuchas e biberões com outras crianças.
As chuchas e os biberões são desaconselhados após o primeiro ano.
As chuchas devem ser lavadas com água, esterilizadas a cada 3-5 dias e trocadas a cada mês.


Fonte:

Australian Department of Health. Teething. [Online]. 2008 [cited 2012 Nov 9].

Zamani, R.A.. California Childcare Health Program. Teething. [Online]. 2005 [cited 2012 Nov 9].

https://www.hospitaldaluz.pt/pt/guia-de-saude/saude-e-bem-estar/43/chucha-mitos-factos







A plataforma RISO é uma Rede de Informação de Saúde com todas dicas, conselhos e respostas às dúvidas sobre os vários tópicos da saúde oral, seja nos bebés, nas crianças, nos adultos ou nos seniores! Sim, porque independentemente da nossa idade, todos podemos ter um sorriso perfeito!


Saber mais

> Vantagens CLUBE RISO
Compreendo e Autorizo - O seu "email" será utilizado unicamente para registo na newsletter do Clube Riso após obtermos o seu consentimento prévio e expresso, sendo tratado pela SERVESTEC, LDA. (adiante, “SERVESTEC”), com NIPC 514.946.580 e sede na Travessa de Santa Catarina, 8, 1200-403 Lisboa, a responsável pelo tratamento, a qual irá conservar este dado durante 5 anos ou até que se oponha ao envio de newsletters ou retire o consentimento que nos forneceu. O dado pessoal "email" é de preenchimento obrigatório para podermos enviar a newsletter, pelo que sem este dado não poderemos realizar o seu pedido, não sendo utilizado para nenhuma outra finalidade sem o seu consentimento prévio. Poderá exercer os seus direitos previstos na legislação (acesso, retificação, apagamento, limitação, oposição, portabilidade) através de contacto escrito para o seguinte email geral@servestec.pt ou info@plataformariso.pt, sem prejuízo do direito a apresentar reclamação à autoridade de controlo competente (www.cnpd.pt). A SERVESTEC poderá comunicar os dados pessoais identificados ao(s) seu(s) prestador(es) de serviços para cumprimento da finalidade descrita. Relembramos que poderá retirar o presente consentimento a qualquer momento. Saiba mais sobre a forma como os seus dados serão tratados AQUI ou através do email geral@servestec.pt.

Este website utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Ao navegar no website dará consentimento à nossa política de cookies.

Ler mais
Aceito